Como usar a escrita afetuosa para vender sem vender

Escrever é um encontro de duas almas

Será que é possível "vender sem vender"?
Sim! é totalmente possível! E hoje eu vou te ensinar como fazer isso através da escrita afetuosa!



O que é a Escrita Afetuosa?

Escrever de forma afetuosa não é, necessariamente, uma escrita carinhosa ou que fala de sentimentos.

É uma escrita que vai afetar a outra pessoa. É uma escrita que desperta todo tipo de emoções, sentimentos e ações. 

E eu aposto que você já leu alguma coisa e que te fez pensar: Nossa! Essa pessoa me conhece! Ela escreveu isso pra mim! Você já passou por isso? Eu já! 

E como será que ela faz isso? É através da Escrita Afetuosa. Mas, às vezes, a pessoa pode nem saber que está usando essa técnica de escrita, porém tudo o que ela produz afeta em algum grau as pessoas que consomem os conteúdos dela.



E é através dessa escrita que você consegue se conectar melhor com você mesma e também com a outra pessoa. 

E como você pode ter percebido, estamos vivendo um momento cheio de distrações, propagandas, conteúdos de todo lado, memes, vídeos... é uma loucura!

Então, saber como chamar a atenção das pessoas e se conectar com elas de forma profunda, é um trunfo que qualquer profissional do marketing ou que trabalha com a escrita gostaria. 


Pois além de facilitar a produção dos seus conteúdos, a escrita afetuosa aumenta o seu valor percebido pelas pessoas. O que acaba tornando-as grandes fãs do seu trabalho.

Com isso, a gente consegue vender sem vender.

       | Conheça o curso: A arte de se autopromover: como vender de forma autêntica




A MINHA EXPERIÊNCIA COM A ESCRITA AFETUOSA


Eu sempre fui uma pessoa apaixonada pelos livros e pela escrita. Já com 6 anos de idade queria ser escritora. 

Só que o tempo foi passando e eu comecei a achar que isso era bobagem. Duvidei da minha capacidade, do meu talento e do meu amor pelas palavras. 

Então, num sábado chuvoso, eu peguei a estrada junto com o meu namorado e viajamos mais de 300km para que eu fizesse o curso que mudou a minha vida. 

Era outubro de 2019 e lá estava eu: nervosa e agitada pra começar logo o treinamento sobre Escrita Criativa e Afetuosa da Ana Holanda, escritora, redatora-chefe da revista Vida Simples e um ser humano iluminado!
|Você pode gostar desse artigo: O que eu aprendi com o Workshop "Escrita Criativa e Afetuosa da Ana Holanda.

Eu tinha lido o livro dela "Como se encontrar na escrita:O caminho para despertar a escrita afetuosa em você um mês antes e já tinha começado um processo de revolução na minha escrita, que já era legal, mas não transparecia a Milene de verdade.

E naquele dia, dentro de 8 horas eu pude conhecer histórias lindas de mulheres espetaculares e também dei um mergulho em mim. 

Cada texto que eu produzia era como se eu saísse do meio de uma cortina de fumaça e passasse a enxergar melhor quem eu era, onde eu gostaria de chegar e sobre o que eu gostaria de falar ao mundo. 

O livro e o curso de fato mudaram o curso da minha vida. 

Tanto que em menos de 5 meses eu comecei a ter clientes, alunas, pessoas interessadas no meu trabalho e se,você gosta de números, eu consegui faturar quase R$ 8 mil reais nesse tempo escrevendo, vendendo e ensinando outras pessoas a escreverem também. 

A escrita afetuosa não me tornou apenas uma profissional diferenciada, me tornou um ser humano melhor e que decidiu encarar o Marketing dessa mesma maneira. 


As minhas clientes costumam me procurar por todos esses motivos abaixo:

1. Eu admiro a forma que você escreve e se comunica 

2. Eu preciso encontrar um jeito de criar meus conteúdos de forma mais verdadeira, sincera e sem quebrar muito a cabeça

3. Eu não levo jeito para a escrita

4. Eu quero vender melhor os meus serviços e produtos, mas nunca sei como criar uma oferta ou gerar confiança

5. Eu gostaria de aumentar o meu valor percebido pelas pessoas ao meu redor

6. Eu quero criar conteúdos, mas não sei por onde começar.

E olha só que notícia incrível!
Com a Escrita Afetuosa, além de exercitar o autoconhecimento profundo, e conhecer melhor o outro, conseguimos melhorar o nosso valor percebido, a nossa confiança, o nosso desempenho no trabalho e, por consequência, as nossas vendas.

Pois, com a Escrita Afetuosa a gente sai da superfície e começa a aprofundar nossas ideias, desejos e sentimentos. Dessa forma começamos a nos relacionar de verdade. Além de ouvir com mais atenção e carinho as pessoas que nos cercam e nossos potenciais clientes.

E se a tua intenção é vender mais com o seu negócio ou atingir mais pessoas. Com certeza você precisa conhecer esse método.


PASSO A PASSO PARA COLOCAR EM PRÁTICA A SUA ESCRITA AFETUOSA!



Você pode me perguntar: tá mas isso daí não é Storytelling? 

Chame de como quiser hahah a própria Ana fala isso. Se é uma história, se conta alguma coisa, se afeta a pessoa e se gera nela um sentimento: bom, então seja lá o que for, escrita afetuosa ou storytelling : FUNCIONA e vai te ajudar muito! 

Segue abaixo um passo a passo a começar a escrever de forma Afetuosa.

 São exercícios que deverão ser praticados no começo da sua jornada e   mantidos durante o processo também. 



1. PERCEPÇÃO DO MUNDO DE FORMA DIFERENTE 

Esse exercício não ajuda somente a escrever melhor como também para você melhorar a sua criatividade e sentimento de presença. 
Por isso, dê uma volta no seu bairro e não use fones de ouvidos. Vá escutando todos os sons, tentando prestar atenção nos cheiros, nas mudanças da paisagem. Tente lembrar como era o bairro antes, quando você era criança ou quando você chegou. 

Abra os olhos, o olfato e a mente para tudo o que te cerca. Deixe essas percepções fluírem sem julgamento.

Faça esse exercício quantas vezes achar necessário. 

2. UM OLHAR DIFERENTE PARA O PASSADO 

Disse Fabrício Carpinejar que “somos feitos das nossas dores”. 

E são justamente elas que formaram a pessoa que somos hoje. 

Então, o próximo passo é visitar o seu passado através de fotos, vídeos, histórias dos seus pais, tios ou parentes próximos. 

Por isso, relembre as histórias tristes e lindas que você viveu. Tente lembrar da emoção que sentiu ao ganhar aquela bicicleta, aquela boneca, aquele quadro para brincar de professora. 

E olhe para tudo isso sempre contextualizando. Então, pergunte-se:

"Com o que será que dá pra relacionar com o meu trabalho hoje essa história de eu ter ganhado uma bicicleta?"

Você poderia falar da dificuldade que foi aprender a andar e relacionar com o seu começo na carreira, que mesmo feliz e empolgada você sentia dificuldades, por exemplo.

Ou falar da questão da sensação de liberdade que a bicicleta te dava e que hoje você batalha pela sua liberdade de tempo, espaço e financeira, etc.

Enfim, cada trecho da nossa história rende diversas formas e contextos com o nosso trabalho e com os nossos aprendizados de hoje.

Por isso, deixe suas lembranças fluírem. E se as lágrimas acompanharem esse processo deixe-as rolarem. É libertador!

            | Você vai amar esse artigo: Como ser uma pessoa melhor


3. FOTOS E DIÁRIO SEMANAL 

A sequência de exercícios é uma dica incrível! Eu fiz e deu muito certo.

Post com foto do Quintal da casa dos meus pais e que me fez refletir sobre Criatividade e Esperança


Circule pela sua casa ou algum lugar em que você se sinta seguro e fotografe coisas totalmente aleatórias.

 Uma pia com a louça suja, uma xícara de chá em cima da mesa. Um caderno caído no chão. Um quadro. Qualquer coisa.

O próximo passo está no número 4. 

4. O EXERCÍO DAS CAMADAS 

Com essas fotos em mãos vamos iniciar a jornada do Herói ou da Heroína. É nesse ponto que a gente treina a condução do texto, aquele que faz com que a pessoa se sinta perto de você. 

Olhe para as fotos que você tirou, uma a uma e faça uma série de perguntas.

Faça diversas perguntas, como, por exemplo: 

a) Por que eu tirei essa foto? 

b) O que essa foto gera de emoção em mim? 

c) Por que eu sinto essa emoção? 

d) Essa imagem lembra alguma coisa da minha história? 

e) Por que lembro disso? Foi algo bom? 

E assim por diante. Faça perguntas para si mesma e depois vá escrevendo. Deixe fluir. Não se preocupe com gramática, concordância, coerência. Só escreva.

Pois é nesse momento que a gente precisa fazer amizade com o papel em branco ou o documento do computador e deixar as coisas acontecerem de forma leve e, ao mesmo tempo, intensas.

Dê liberdade para as suas palavras. Dê liberdade para os teus sentimentos. Livre-se de qualquer tipo de julgamento. 

Mas, se quiser deletar esses textos depois, não tem problema. Só deixa acontecer. Porque  esse momento é todo seu!

5. COM MORAL OU SEM MORAL DA HISTÓRIA? 

Ao praticar esses primeiros passos que estimulam esse reencontro com a gente fica SURREAL a facilidade de escrever sobre qualquer coisa depois!

Não há bloqueio criativo que nos pare nessa fase. 

Mas ao conduzir seu leitor pelo seu texto não é obrigatório ter um “final”. Daqueles estilo “a moral da história é que”. Deixe que a pessoa que leu e que foi afetada de uma forma diferente de outras pessoas e até mesmo de você, tire as próprias conclusões.

Porém, se o objetivo do texto for conduzir para uma ação, estilo Call to Action então você deve pensar em uma frase final para estimular essa decisão.



6. O QUE GEROU EM VOCÊ? 

Releia esses textos, antes e depois de postar e sempre se pergunte: o que isso desperta em mim? 

Além disso, passe a ler o conteúdo dos outros questionando a mesma coisa.

E como num passe de mágica você começa a diferenciar pessoas que colocam a alma delas no texto e as que apenas interagem de forma superficial. 

E não tem certo ou errado. Existe o que faz ou não sentido para você. 

Então, agora que você possui um cérebro treinado para ver conteúdo afetuoso em todo canto e identificar quando não há nada profundo num texto.

Escreva muito! Veja no passo abaixo:

7. CONTINUE A ESCREVER 

Agora que começou a escrever, não pare! 

Depois que a gente se encontra é como se atirássemos pra longe a Criptonita que nos deixa sem ideias, sem vontade de viver e com a sensação de não estarmos fazendo um bom trabalho. 

O melhor que você pode fazer é se conhecer e se respeitar, e acredite ou não: com esses exercícios a gente faz um mergulho lento e profundo na nossa história onde compreendemos melhor a nossa personalidade.



OBSERVAÇÕES IMPORTANTES SOBRE A VENDA SEM A VENDA DE FORMA AFETUOSA:

Escrever de forma afetuosa não é se expor.

Pois você não precisa contar sobre sua vida nos seus textos se você não quiser.

Todos os exercícios acima, apenas vão te ajudar a escrever melhor sobre o seus próprios temas. Sejam eles voltados para o empreendedorismo, a auto ajuda, a produtividade e etc.


Então, depois de ler esse artigo sugiro que você compre o livro "Como se encontrar na escrita:O caminho para despertar a escrita afetuosa em você” 
Pra te ajudar nesse processo.

Ah, e olha só que coisa mais incrível!

A Ana Holanda gravou esse treinamento, com muito mais informação e ensinamentos e ele está disponível na Hotmart!

Você pode ter acesso clicando aqui: Curso Online "Escrita Criativa e Afetuosa" .

E sabem de uma coisa?

Eu fiquei tão feliz que comprei também!

Pois eu precisava ouvi-la novamente. Precisava aprender mais um pouco. E resgatar os sentimentos que tive ao fazer o nosso treinamento presencial.


E se esse artigo te inspirou de alguma forma deixa aqui em baixo seu comentário?



2 comentários

  1. Muito bom seu texto e como aquela livros que lemos e sentindo estava nele isso envolve muito as pessoas ..sucesso😘

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Dani! Fico muito feliz que você tenha gostado do meu texto <3 Sucesso pra nós!

      Excluir

Obrigada por comentar! Assim que possível venho aqui para responder você. Beijos!